Número total de visualizações de página

sábado, 21 de janeiro de 2012

Capitulo 5

Janeiro, 20 de 2010
Acho que finalmente vou conseguir falar e contar o que aconteceu.
Foi na noite de Natal, estava a minha família toda reunida, um nevoeiro estava no ar, era uma noite fria, triste, misteriosa. Pela janela do meu pequeno mas aconchegado quarto via a neve a cair. Normalmente ver a neve a cair trazia-me um fascínio, mas naquele dia, eu estava diferente, estava estranha, não estava normal. Nessa noite só me apetecia chorar. Os estúpidos pressentimentos estavam piores e eram verdadeiros, pois aconteceu mesmo algo muito grave…
Como não queria desiludir a minha família aguentei aquela estranha tristeza que me invadia, abri os presentes, festejei e finalmente a noite acabou e fui dormir. Os meus sonhos eram invadidos constantemente pela cara do Miguel, do orfanato e da Susana. De repente senti que a minha cama tinha deixado de ser mole e confortável e sentia que alguém me estava a chamar, pensei que era a minha mãe, então abri os olhos. Quando os abri reparei que não, não era a minha mãe, era pelo contrário uma senhora a gritar: “Como vieste aqui parar menina, o que se passou, como estás viva, está tudo bem consigo, onde estão os seus pais?!”
Levantei-me sem dar uma única resposta, olhei a minha volta e vi que aquele que durante 15 anos tinha sido o meu prédio, a minha casa era agora umas ruínas queimadas, via gente a chorar, gente a gritar, via pessoas mortas, via a policia, via os bombeiros e todos perguntava-me o que se tinha passado, como fui eu ali parar, e acima de tudo onde estava a minha família. Não conseguia pensar, as pessoas chamavam-me, mas eu continuava ali parada, como uma estátua de pedra, parada e silenciosa. Por fim movi-me pois aquela profunda tristeza voltou e trouxe com ela um medo sombrio. Comecei a chorar e entre lágrimas e soluços perguntei tudo aquilo que já tinha perguntado a mim mesma. As pessoas continuavam a falar e o que eu ouvia era só “Ouve uma explosão, não sabemos o porquê, a policia já está a tratar do assunto, não te preocupes vai ficar tudo bem, vai ter com os guardas eles hão-de dizer-te o que fazer.”
Mas eu não queria os guardas eu queria uma explicação para tudo o que se passou, e essencialmente eu queria a minha família. Gritei então com todas as forças que me restavam: “Onde está a minha família? Leve-me até ela, já! Como vim eu parar aqui e porque não está a minha família comigo?!” e do meio da multidão apareceu um homem velho, com uma barba enorme, aspecto horrível e tremendamente assustador. Esse homem respondeu as minhas perguntas com a maior frieza do mundo, como se não tivesse coração ou compaixão pela minha desgraça, como se fosse feito somente de gelo e pedra - “A tua família morreu, assim como toda a gente. Como vieste aqui parar, quem te ajudou? Vai ter com os polícias, eles levam-te para o orfanato até encontrarem algum familiar teu.”
Comecei a correr, tinha de sair dali. O que me ia acontecer? Sabia que não tinha mais família, sabia que ia para o orfanato e que nunca iria sair de lá.
Percebi agora que naquela noite perdi tudo, não sei o que faço ainda viva se a minha vida perdeu todo o sentido, e também não sei como estou viva quem me terá salvado? Será que os meus sonhos e sensações estranhas têm alguma coisa a ver com isto? Agora sei que tudo o que eu tinha estado a sentir até aquele dia faz de alguma maneira sentido, não sei como, nem porquê mas sei que sim, faz sentido em algum lugar da minha mente. Ou pelo menos é a única coisa que eu sei agora.
Só quero fechar os olhos e voltar para a minha vida, quero os meus pais de volta! Agora tudo o que me resta é perguntas, e acontecimentos inexplicáveis.
Neste momento estou na casa de uma amiga da minha mãe, sei que esta semana vou para um orfanato. Não vou a escola, este ano vou reprovar e não me interesso, neste momento nada me interessa, só consigo chorar e pensar no acidente. Ainda não disse uma única palavra, é como se tivesse ficado muda e não tenho coragem de voltar a falar.
Passaram duas semanas desde o acidente. Foram as piores semanas da minha vida, sentia-me sozinha no mundo. 

_______________________________________________________________________________________
O que será que irá acontecer há Sofia? Pra saberem terão de esperar pelo próximo capítulo ;D

Sem comentários:

Enviar um comentário